terça-feira, 4 de novembro de 2008

GENÉSICO

Caudaloso rio fluía das entrepernas, límpido e quente. Quando a nau, tardia, invadiu o porto, o rio enrubesceu-se, e, depois de sons ininteligíveis, o vermelho, em correnteza já tênue, viu-se com bolsões viscosos e embranquecidos.

O capitão, finda a invasão, exausto, mas sentindo-se Deus, imaginou, equivocadamente, ter feito da cidadela uma mulher.

2 comentários:

Airton Sampaio disse...

Síntese, síntese, síntese... O conto pós-moderno é isso mesmo, Leonam. Incisivo e rápido como uma picada na veia, diria o Dalton Trevisan. E belo, acrescento eu. Abração!

Andréia disse...

Quantas imagens construídas com maestria! Um belo conto, sim.
Essa sua visão deve incomodar muitos homens.
Parabéns.